O Rock in Rio 2017 terá um espaço totalmente dedicado à mãe de todos os ritmos. A nova versão da Rock Street vai celebrar a África com shows exclusivos durante os sete dias de evento, tornando o espaço em um ponto de celebração musical que levará aos visitantes identificação com a origem de todos os estilos presentes nos outros palcos do festival.

No dia 14 de março, foi realizada a coletiva Rock Street África, na Cidade das Artes, localizada no Rio de Janeiro, mostrando aos convidados um pouco da imensidão de ritmos, cores, figurinos e multiculturalidade que estarão presentes na Rock Street África nos dias 15, 16, 17, 21, 22, 23 e 24 de setembro, na nova Cidade do Rock.

Dentre apresentações exclusivas de dança e música essencialmente africanos, a cargo dos jovens da Escola Carioca de Danças Negras e do grupo Les Tambours de Brazza (Congo), R
oberta Medina subiu ao palco para soltar aos convidados novidades como as 20 casas que ambientarão o espaço, além dos 1600 metros quadrados de espelhos d`água. A Cidade das Artes recebeu também exemplos fidedignos das fachadas das casinhas, assinadas por João Uchôa e Glauco Bernardes. 

Durante o evento, Toy Lima, curador da Rock Street África, anunciou ainda os grupos musicais que levarão a sonoridade característica do continente ao palco da Rock Street África: Les Tambours de Brazza, Ba Cissoko, Mamani Keïta, Alfred et Bernard, Fredy Massamba e Tynous Gnaoua oferecem ao público a oportunidade de conferir de perto extrações da cultura africana, desde o ritmo até o figurino.