"Vai ser uma grande noite, vocês vão voltar para casa em pedaços". A promessa saiu da boca de Pete Townshend, vocalista do The Who, durante a apresentação da banda no Palco Mundo neste sábado. Ele acertou em cheio. O dia 23 de setembro de 2017 entrou para a história do Rock in Rio.

Tudo começou no Palco Sunset, com Quabales e Margareth Menezes. Uma explosão de ritmos brasileiros para confortar os que chegaram cedo à nova Cidade do Rock. Com Digital Dubs e Maestro Spok, o Cidade Negra visitou suas raízes e fez um reggae de primeira, com bonita homenagem ao mestre Gilberto Gil. A galera cantou junto, foi lindão. A banda colombiana Bomba Stereo elevou o volume com um eletropopfunk batidão, rolando a bola para Karol Conka chegar poderosíssima. Virou baile. Seus hits 'Tombei' e 'Lalá' ganharam versão em espanhol da rapper paranaense. O Sunset encerrou em grande estilo, com CeeLo Green e IZA. Virou festa  dançante, com vários covers de hits internacionais, de Michael Jackson à Earth Wind and Fire. 

O Palo Mundo abriu com rock nacional de primeira linha. Comemorando 32 anos do disco Cabeça Dinossauro, os Titãs fizeram um showzão repleto de hits. Todo mundo cantou muito. Incubus entrou na cena e os fãs foram ao delírio. "Drive" e "Love hurts" embalaram a multidão, teve cover de "Wish you were here", do Pink Floyd, inserida em música homônima de Brandon Boyd e companhia. Daí chega o The Who num clima especial, afinal era a primeira apresentação deles no Rio de Janeiro. A expectativa era imensa, mas Pete Townshend e Roger Daltrey estavam inspirados e não decepcionaram. "Behind blue eyes" emocionou muita gente. Que momento! Volte sempre, The Who, a gente agradece.

Vem o grande momento da noite. As lendas, os caras: Guns n' Roses. A reunião de Axl Rose, Slash e Duff McKagan, juntos novamente, brindou os fãs da banda com um show empolgante de quase 3h30. Os hits estavam todos lá, de Welcome to The Jungle, passando por Sweet Child O Mine, e encerrando com Paradise City. Ainda sobrou tempo para homenagens ao The Who, e a Chris Cornell. Slash estava demais, voando na guitarra. E o Axl é o Axl, né? Se a voz do líder da Guns não é mais a mesma de 26 anos atrás, na primeira vinda deles ao festival, a empolgação, as corridas pelo palco, as dancinhas e a interação com o público compensaram com sobras, fazendo quem ficou até o final voltar satisfeito para casa.

Quem assistiu amarradão aos shows de The Who e Guns n' Roses foi Chad Smith, baterista do Red Hot Chili Peppers. Hoje é a vez dele de subir no Palco Mundo, com Flea, Josh Klinghoffer e Anthony Kiedis, líder do grupo. Alguém tem dúvida de que vem mais uma noite inesquecível por aí? Antes do RHCP, Thirty Seconds to Mars, The Offspring e Capital Inicial também se apresentam no maior palco do festival. O Rock in Rio está demais, é muita energia boa envolvida. Vem!