Setecentas mil pessoas disseram "eu vou". Os ingressos para o Rock in Rio se esgotaram, mas não esgotamos nossa confiança no poder de recuperação deste território mágico de todos nós. E reafirmamos nosso propósito de contribuir, lado a lado com você, com a construção de uma cidade mais justa, mais humana e mais feliz, à altura da paisagem maravilhosa que a natureza nos deu de presente. Há quase 500 anos, desde as batalhas para a sua fundação, o Rio supera crises de todo tipo e sai delas fortalecido. Vai superar esta, também. Os instrumentos para a grande virada estão todos à nossa frente. Não podemos perder um minuto para usá-los com talento e garra, profissionalismo e sabedoria, visão de conjunto e espírito vencedor.

A resposta para virarmos o jogo é o turismo.

O turismo receptivo é a segunda maior indústria do mundo, com incrível potencial para gerar oportunidades de grandes e pequenos negócios, criando renda e multiplicando postos de trabalho. Aqui, o turismo pode e deve ser a alavanca de um desenvolvimento rápido para todas as classes sociais e todas as áreas da cidade, pela comercialização de bens e serviços dos mais diversos gêneros – do grande hotel ao pastel da esquina.  

Rio, um produto desejado e aprovado no mundo inteiro.

O Carnaval, o Réveillon e o Rock in Rio motivam uma boa parte dos turistas que visitam nossa cidade. E mesmo num período tão difícil como o que vivemos nos últimos anos, tanto do ponto de vista político como do econômico, quem chega aprova e quer voltar. 
A Fundação Getúlio Vargas e outras entidades têm realizado, ao longo dos anos, sucessivas pesquisas com visitantes brasileiros e estrangeiros sobre a experiência vivida em sua imersão na vida carioca e a intenção de novas visitas. As entrevistas feitas durante os Jogos Olímpicos de 2016 confirmam e ampliam os resultados anteriores: 98,7% dos turistas brasileiros e 83,1% dos estrangeiros declararam que a cidade atendeu ou superou suas expectativas. A intenção de novas visitas ao Rio foi expressa por 94,2% dos residentes no país e 87,7% dos que residem no exterior. Esses números não apenas são motivo de orgulho, como apontam para um horizonte sem limites. Agora, depende de nós. Do que somos, do que já fizemos, do muito que podemos e havemos de fazer.

Vamos usar melhor o que já temos.

O produto Cidade do Rio de Janeiro recebeu recentemente investimentos públicos e privados de cerca de R$ 25 bilhões em expansão da rede de transportes (metrô, BRT, VLT), novas arenas de eventos esportivos 
e artísticos, museus, revitalização do centro da cidade, hotelaria, gastronomia e muito mais. Ganhamos mais 30 mil quartos de hotel e, graças ao dinamismo de grandes e pequenos empreendedores, novas atrações surgem a cada dia. Estamos preparados. A questão é imprimir mais ousadia, energia e inventividade a essa máquina maravilhosa e seu poder de produzir bons empregos e renda bem-distribuída.

A hora é já!

A hora é de mobilizar a sociedade, a mídia, os empresários, o Governo Federal, o Governo Estadual e a Prefeitura Municipal para implantarmos já um potente calendário turístico que sacuda a nossa cidade. 
Temos que nos tornar um polo turístico mais seguro e fascinante, com projetos em que nossa criatividade vá compensar a falta de dinheiro e atrair recursos de fora. Temos que, mais uma vez, mostrar ao Brasil e ao mundo que ninguém pode com a gente no que diz respeito a um dos maiores ativos que temos: fazer festa, comunicar festa, entregar com perfeição a alegria que anda faltando no planeta inteiro.



Roberto Medina
Presidente do Rock in Rio